7.9.06

A lógica da censura

A Playboy de julho/06 publicou uma entrevista com o ator Paulo César Pereio, enfant terrible, maluco, desbocado e genial. Numa atitude de auto-censura inexplicável (afinal, trata-se de uma revista dirigida ao público adulto), a entrevista foi editada com o velho recurso de substituir palavrões por asteriscos (quem já sabia ler na década de 1970 lembra da famosa entrevista da Leyla Diniz publicada no Pasquim).

Vários leitores chiaram, "prenhes de razão", como diria o Chico Buarque. Um deles chegou a sugerir que colocassem tarjas pretas nas modelos também. Afinal, não faz sentido censurar as entrevistas sem fazer o mesmo com as entrepernas.

Vejam a seguir trecho de carta enviada pela leitora Andréia Nery (Guarujá-SP):

"A entrevista com Paulo César Pereio está divina. Só não entendi os asteriscos em algumas palavras - p(*), c(*), punhe(*) e afins são palavrões, mas condizem com o conteúdo da revista. Onde se mostram peitos, bundas e buc(*), não poderia haver censura. Na própria entrevista deixaram passar 'chuparam o meu pau' (grifo meu), mas não 'aí fo(*)!'. Até mer(*) vem com o indefectível asterisco".

E a deplorável resposta do editor:
"Andréia, 'chupar' e 'pau' não são palavrões. Mer(*) é."

Sacou a lógica da coisa? Irretocável.


5 comentários:

Claudio disse...

José Alberto, li seu comentário no SOBRETUDO e vim conhecer seu excelente blog. Quanto ao tema do post, acho realmente um absurdo essa censura (na verdade, qualquer tipo de censura é absurda), principalmente em se tratando da Playboy.

Nós blogueiros também sofremos policiamento quanto a isso. No meu blog eu escrevo o que der na telha e palavrões são liberados. Claro que palavrões como: fome, miséria, PT, violência e corrupção são evitados, mas não proibidos.

É realmente uma grande hipocrisia da Playboy, mostrar uma bunda e não escrever "merda". Afinal de onde ela sai?

abração

Claudia disse...

Hahahahaha..
HILÁRIO!!!
Cara, seria cômico, se não fosse trágico..
Uma revista como a Playboy posar de censor tá fo*, né não???
E essa resposta do editor foi a melhor piada q eu li nos últimos tempos... é a completa negação do significado real das palavras, dado pela fala do dia-a-dia, não pelos dicionários.. Cara, vou te dizer, sou formada em Letras e Direito, mas sou totalmente a favor da transgressão, em tds os sentidos.. Tv p isso me frustrei tto na vida..
Assunto q eu não sei falar, minhoca lá.. rs...
Bjo..

Claudia disse...

Ah.. Esqueci.. Na minha cartilha, PSDB tb é palavrão...rs..
(Só uma leve provocação..)

Andréia Nery disse...

Estava "investigando" minha pessoa, aliás, ocorrências de meu nome na net e encontrei seu post sobre a Playboy. Sou a autora da carta citada. Fiquei indignada com a resposta do editor e mandei outro mail contestando. Já dei muita risada, já esbravejei, quase chorei com esta situação toda! Como o cara foi infeliz. A resposta para mim foi pior que deparar com os tais asteriscos (que diga-se de passagem fez da leitura uma coisa massante). Nela ele demonstrou o quanto a imprensa está despreparada para lidar com aberturas (desculpe-me o trocadilho). Parabéns pelo blog, pelas fotos e pelas idéias. Até, Andréia Nery.

Anônimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado