22.1.07

Um cordel para Arnaldo Jabor

Curiosamente, não tenho idéia formada sobre Arnaldo Jabor. Algumas vezes, o acho genial. Outras tantas, apenas um reacionário chato e verborrágico. Há quem diga que ele se vendeu e renegou seu passado, que o esquerdista da juventude cedeu lugar ao porta-voz dos interesses da direita. Ora, só não muda de idéia quem não as tem. Eu sou da esquerda, mas acho que um mundo feito só de esquerdistas seria chato demais.

De qualquer modo, encontrei por aí este cordel, escrito pelo poeta pernambucano Jorge Filó, achei bacana e estou compartilhando.

O dia em que Arnaldo Jabor se olhou no espelho...
... e se viu.


Este cordel que apresento
Sem nenhuma pretensão
E mesmo que lhe pareça
Ser verdadeira a versão
Ainda que eu não garanta
É uma mera ficção.

Assim começa o cordel
Justo na reflexão
Tô falando do espelho
Da nossa imaginação
Que as vezes num belo dia
Prega em nós grande lição.

Como se Arnaldo Jabor
Num exame de consciência
Um belo dia acordasse
Com toda sua eloqüência
E em conversa mostrasse
Sua verdadeira essência.

"Caros amigos leitores
Eu sou Arnaldo Jabor
Cineasta e jornalista
Direitista e traidor
Também sou um caga-pau
Xeleleu e delator.

Do clã Roberto Marinho
Sou baba-ovo da hora
Digo só o que eles querem
Creio e nego, sem demora
Sou um neo-liberalista
Por enquanto, ate agora..

Um dia já fui esquerda
Era na luta engajado
No cinema brasileiro
Contestei fui contestado
Hoje meu cinema é outro
Pelo poder fui comprado.

Hoje voto na direita
No maior descaramento
Nego tudo que outrora
Mostrava em meu pensamento
Glauber Rocha tando vivo
Seria o meu tormento.

Mudei de convicções
As antigas companhias
Agora sou um amigo
Das grandes oligarquias
Digo tudo qu`eles mandam
Mentiras, patifarias.

É assim que a coisa anda
É assim que o mundo gira
Sou um lobo carniceiro
A serviço da mentira
Se eu não tirar o meu
Chega outro vem e tira.

Faço uso da palavra
Pra defender meu quinhão
Quero mais é que se fôda
Quem defende esta nação
Meu caviá garantido
Para quê preocupação.

Sou perverso no que digo
E ainda sou respeitado
Pois a mentira é quem dita
Dita por quem ta do lado
Dos grandes exploradores
Do poder televisado.

Faço do verbo navalha
Quero mais é ta por cima
Vai viver sempre enganado
Aquele que subestima
A minha capacidade
De cagar uma obra-prima.

Agora devo ir embora
Meu trabalho me espera
Vou inventar outra estória
Para parecer de Vera
E quem ler sempre acredita
Na minha nova quimera."

Este cordel esquisito
Que acabamos de ler
É fruto do pensamento
Que acabo de escrever
Me chamo Jorge Filó
Em mim você pode crer.

3 comentários:

Carlos Emerson Jr. disse...

Bom, os filmes do Jabor eram (são, né) um pé no saco! Seu último filme (não me lembro o nome, era com a Fernandinha Torres e o Thales Pan Chacon) foi a coisa mais tediosa e deprimente que já vi.
Talvez por causa disso quase nunca leio o que ele escreve. E o pouco que leio não gosto!

Baiano disse...

Bravo! Bravo! Bravo!

Claudia disse...

Grande Jorge Filó..rs..
Bjo.