21.10.06

Crônicas da Bahia #1

Escrita em baianês. Caso você não entenda, consulte o glossário no final do texto.

Certa feita, saí cedinho de casa prum falapau(1) na casa de meu primo carnal(2) Muriçoca, lá no fim de linha do Pau Miúdo(3). Tava o maior auê(4) no ponto de ônibus. Gente como a porra, uma renca(5) de menino oferecendo geladinho(6), um esmolé(7) cheio do pau(8) abusando todo mundo, vendedor de rolete(9) gritando feito a porra e os garotos vendendo menorzinho(10) no quente-frio(11) colorido.

De junto de mim, um cabo verde(12) todo enfatiotado(13) passava a patapata(14) na cabeça, enquanto que defronte(15) a filha da baiana do acarajé, uma menina cheia de pano branco, mastigava um pão cacetinho(16). Eu já tava ficando retado(17), porque já fazia uma hora de relógio(18) que a zorra do buzu(19) não passava. Aí a arabaca(20) chegou, cheia como quê.

Tive que entrar a pulso, mas pra tomar uma(21) eu faço qualquer coisa, e na paleta(22) é que eu não ia. Aporrinhado(23), fui me espremendo lá pra frente e consegui passar pela borboleta(24). Num daqueles freios de arrumação, fiquei de pau duro, fazendo terra(25) numa graxeira(26) bem moderninha, toda empiriquitada(27), mais enfeitada que jegue na Lavagem do Bonfim. Ela tinha uma inhaca, que misturada com o espanta nigrinha(28) que usava, me causava um certo entojo(29). Mas eu, que faço terra desde o tempo de dom corno(30), não ia vacilar. "É hoje que eu vou lavar a jega"(31) - pensei.

E fiquei ali, mal sabendo o esparro(32) em que eu ia cair. É que daí a pouco o motorista deu outro freio de arrumação e eu me desapartei da tribufuzinha(33) e me encaixei num negão tipo segurança do Olodum. Tá rebocado(34): eu pensei que ia bater a caçuleta(35). O negão virou e fez: "Qualé meu irmão? Tá procurando frete(36) comigo, é? Eu lhe dei ozadia por acaso?" Resultado: levei um cachação(37) que doeu como corno(38), e fui parar lá na casa da porra(39).

Foi o maior mangue(40) dentro do buzu. Enquanto eu me lenhava(41), ouvia o povo dizer: "Pique a porra(42) nesse chibungo(43), ôôôôxe, tem mais é que estabocar(44) com este sacana mesmo."

No meio daquela zuada(45) toda, resolvi tirar o corpo e na primeira sinaleira(46) em que o buzu parou eu me piquei(47). Jurei que mais nunca entro em carro com enxame de gente. Quanto às fubuias(48), tive que infonar(49), mas de hoje a oito(50) possa ser que eu passe lá. Só que na próxima vez vou pedir a um taquiceiro(51) pra me levar, que eu não sou menino nem oreba(52) pra ximbar(53) de novo.

glossário:
1 - falapau: festa
2 - primo carnal: primo em primeiro grau
3 - Pau Miudo: bairro
4 - auê: confusão
5 - renca: grupo
6 - geladinho: refresco congelado dentro de um saco plástico
7 - esmolé: esmoler, pedinte, mendigo
8 - cheio do pau: bêbado
9 - rolete: pedaço de cana
10 - menorzinho: café pequeno
11 - quente-frio: garrafa térmica
12 - cabo verde: indivíduo de pele escura e cabelos lisos
13 - enfatiotado: bem vestido
14 - patapata: espécie de escova de cabelo
15 - defronte: em frente
16 - pão cacetinho: pão francês, bisnaga
17 - retado: aborrecido, com raiva
18 - hora de relógio: hora exata
19 - buzu: ônibus
20 - arabaca: veículo muito velho
21 - tomar uma: beber
22 - na paleta: a pé
23 - aporrinhado: chateado, aborrecido
24 - borboleta: catraca
25 - fazendo terra: roçando o órgão sexual em outra pessoa
26 - graxeira: empregada doméstica
27 - empiriquitada: bem vestida
28 - nigrinha: pessoa desqualificada
29 - entojo: enjôo
30 - tempo de dom corno: antigo
31 - lavar a jega: se dar bem
32 - esparro: situação desagradável
33 - tribufuzinha: negrinha feia
34 - tá rebocado: juro por Deus
35 - bater a caçuleta: morrer
36 - procurando frete: se engraçando
37 - cachação: tapa no pescoço
38 - como corno: muito, bastante
39 - casa da porra: longe
40 - mangue: confusão
41 - me lenhava: me dava mal
42 - pique a porra: bata
43 - chibungo: sujeito desqualificado
44 - estabocar: arrebentar
45 - zuada: barulho
46 - sinaleira: semáforo
47 - me piquei: fui embora
48 - fubuia: cachaça
49 - infonar: não comparecer
50 - de hoje a oito: daqui a uma semana
51 - taquiceiro: motorista de táxi
52 - oreba: tolo, otário
53 - chimbar: se dar mal

4 comentários:

anjacaramuja disse...

Ahahha Adorei esta aula de baianês.
Ei mas a sinaleira,a borboleta, o cacetinho tambèm (só que não falamos o pão antes é só cacetinho e pronto). Temos isso em comum.
Aqui o geladinho é sacolé.Rolete de cana já comi tambem.
Adorei o quente-frio ahahaha!
E o patapata eu nunca que adivinhava!
:)

Quero mais.

bjo

anjacaramuja disse...

Ei Tô toda boba...Linkada ali.
Vou te linkar assim que aprender a lidar com o beta.
:)

Anônimo disse...

Sou baiano e te digo uma coisa, seu glossário tá furado e há um certo exagero nas colocações:

Veja quais são os erros:

patapata não é escova e sim um pente chato para alisar cabelo de negão.
na paleta ou paletada significa correr
chibungo significa homossexual
Chimbar significa trabalhar muito

Igor Monteiro disse...

GOstei bastante... vocabulário fidedigno, comprovo isto por ser soteropolitano e por andar "no guêto".

Tenho orgulho de minha baianidade ( e do dendê que corre em meu sangue).

Adoro nosso dialeto que, se assemelha muito com o aprendizado do inglês.. nao adianta traduzir uma palavra.. tem que entender o contexo.

Valeu pelo blog maluco, vc é boca de zero nove.