28.11.06

Deu na Folha de São Paulo

Manchete de capa: “Publicidade oficial ajuda a bancar a TV do filho de Lula”.

Agora, leia a análise da matéria feita pelo Luis Nassif:

No primeiro parágrafo da manchete a informações de que “a Gamecorp (...) divide com o Grupo Bandeirantes o faturamento obtido com verbas federais em anúncios na Play TV”.

Diluídas nas páginas internas as seguintes informações:

1. Todas as informações foram fornecidas pela própria Bandeirantes, no processo que move contra a Editora Abril. O juiz tirou o segredo de justiça, e o repórter pode consultar os autos e selecionar as informações a serem destacadas na matéria.

2. Internamente, pela matéria fica-se sabendo que contrato da Gamecorp com a Bandeirante prevê a divisão em 50% de toda a publicidade arrecadada. Não há uma cláusula especial para publicidade de órgãos públicos, conforme sugere o texto destacado da primeira página. Internamente, artigo de Daniel Castro, o crítico da TV da "Folha", informa que esse tipo de contrato é comum no mercado.

3. O infográfico mostra que a PlayTV deverá faturar R$ 5,2 milhões em 2006, e que o Banco do Brasil e a Caixa estao entre os maiores anunciantes (provavelmente estão entre os maiores de qualquer emissora ou editora). Quando se entra nos valores (perdidos no meio do texto), fica-se sabendo que, em 2006, as verbas federais para o PlayTv foram de R$ 597 mil, ou 11% do faturamento previsto, e 68% inferiores à publicidade oficial em 2005, ano em que a Gamecorp ainda não participava do faturamento do Canal 21.

4. Na defesa, feita pelo advogado Walter Ceneviva, fica claro que a PlayTV concorre diretamente com a MTV, da Editora Abril, que iniciou a campanha contra a Gamecorp.

5. A matéria envereda, assim como a “Veja”, em ilações sobre anunciantes privados. A intenção da "Veja" é intimidar esses anunciantes privados com o tom de escândalo conferido às matérias, sufocando a empresa por vias indiretas. A "Folha" acaba embarcando nisso, embora não seja de seu feitio.

6. Ao contrário da “Veja”, historicamente a “Folha” fornece todas as informações. Só que, ao se juntar todas as peças, não se encontra o todo anunciado na primeira página.

É por coisas assim que a Folha não presta nem para substituir o papel higiênico mencionado aqui neste blog há alguns dias.

5 comentários:

Claudia disse...

Puta.. A Folha é foda..
E olha q qdo eu era adolescente, tinha a assinatura dessa porra.. e me achava a tal..rs..
E outra coisa... Não sei o q é pior.. A área de Direito ou a do Jornalismo..E pensar q eu depois q formei em Letras e depois em Direito fiquei c o maior tesão de fazer Jornalismo..
PUTA Q PARIU!!
Bjks..

Anônimo disse...

Peraí, Zé. O problema não é a Folha... É a imprensa toda. Folha, Veja, Estadão, Istoé... Quem se salva? Querem derrubar o homem. A Venezuela é aqui!!!

Eu acho que melhorzinhos acabam sendo (com os devidos descontos) a Carta Capital, a Caros Amigos, a Agência Carta Maior. Os tr~Es com os devidos descontos...

Abs!

Ricardo M
www.ricardomonteroentrevista.blogspot.com

Baiano disse...

O melhor mesmo é o BLOG do "José Alberto Farias" e ponto final.

Vivi disse...

Plagiando o "baiano" - Por isto mesmo a minha fonte fidedigna é esta aqui, o teu blog.

Bjos

Carlos Emerson Junior disse...

Concordo com a Vivi e com o "Baiano".
O JAF continua com a melhor informação.
Eu tenho muito cuidado com o que leio no "O Globo". E o pior, é que o Rio está tão caído que só ficou um jornal de nível nacional, o dos irmãos Marinho. Mas tudo que eles publicam tem que ser visto pelos 2 lados, senão... Lembra do golpe que tentaram dar no Brizola, na eleição para Governador ? O famoso fator Delta ?
O JB coitado, morreu e não sabe.